Eu Faço Trilha BLOG

#offroad #trekking #motocross #montainbike


2 Comentários

Dificuldade de escrever sobre trilha !

Hoje vou expor um ponto de vista sobre escrever ou falar sobre trilhas !

Estou algum tempo escrevendo sobre trilhas e claro procuro sempre com ajuda de amigos escrever uma determinada trilha mesmo não conhecendo, com o tempo percebi que as pessoas não gostam de falar das trilhas que conhecem !

Existem varios motivos para isto como por exemplo falar ou mostrar a trilha e pessoas ganharem dinheiro com isto, pessoas irem e levarem pessoas que não tem o intuito de preservar a trilha e sim só brincar e deixar destruida um exemplo classico sobre isto é o lixo encontrado no meio da trilha.

Mas também não temos só pontos negativos nisto ! Temos pessoas que gostam de falar, ensinar e sempre temos que estar abertos a aprender ou mesmo só ouvir !

Tenho muitos exemplo de pessoas me ensinando ou mesmo descrevendo sobre as trilhas para que eu possa contar no blog, mas isto esta cada vez mais difícil, porque para escrever voce precisa ter detalhes e hoje no dia a dia corrido que vivemos poucos tem tempo para isto e eu entendo perfeitamente afinal não vivo disto e tenho minhas obrigações e não consigo ir em eventos, trilhas e fico devendo neste ponto.

Mas porque estou falando tudo isto ?

Simplesmente para expor os pontos Positivos e Negativos de conseguir publicar sobre uma trilha. As vezes as pessoas pensam que é má vontade da outra pessoa e não é !

Sendo assim eu irei continuar o trabalho de escrever sobre trilha, mas um pouco mais lento e também não consigo ter o ponto de vista de todos (OffRoad, Trekking, Mountain Bike e Motocross) afinal sou do mundo do OffRoad e conheço pessoas que gostam das outras modalidades que quando podem colaboram.

Mas sempre que quiserem só me procurar que podemos colaborar com este mundo de trilhas com mais informações, os novos grupos ou pessoas que estão entrando no mundo de Trilha precisam disto pra ter noção de onde estão entrando e como preservar esta Natureza que nós contempla com lama, barro, cachoeiras, pedras e todos os desafios para esquecer a rotina do Dia a Dia.

Obrigado a todos que continuam acreditando nesta ideia e bora colaborar !


Deixe um comentário

Trilha dos Grilos – SP

Vamos falar da Trilha dos Grilos que fica em São Lourenço da Serra – São Paulo/SP perto do bairro dos Grilos.

Percorre uma pequena serra para chegar nesta trilha onde temos entradas e saídas para outras trilhas como por exemplo saída da Trilha do Camel e entrada da Trilha do Peixoto.

Lembrando que esta trilha é uma parte da reserva do morro grande.

Informações Tecnicas:

Nível: Média – Com chuva pode ficar Pesada.
Distancia: 8 KM
Tempo da Trilha: 2h Veiculo / 1h Moto

Requisitos para esta trilha:

Off Road necessário guincho, pneu e lift
Motocross utilizar o equipamento padrão (Capacete/Bota)

Sobre a Trilha:

É uma trilha media para pesada quando há muita chuva contem poucos abortos, atoleiros com agua, lama e erosões.

Existe alguns dos buracos que também possuem aborto mas que são fundos e quando há muita chuva enchem e não esvaziam, sendo assim se estiver de veiculo 4×4 precisa de guincho.

A muitas subidas com erosões e quando chove fica mais escorregadias e as erosões maiores então dependendo do mês do ano esta trilha esta seca ou muito molhada assim ficando e um nível de maior dificuldade.

Esta trilha fica perto das torres que energia sendo assim quando chove melhor não ficar muito perto, mas existe no meio desta trilha na lateral esquerda lugares para se fazer uma ótima parada para descansar ou mesmo fazer um churrasco.

Como mencionado esta trilha é a saída da Trilha do Camel e a entrada da Trilha do Peixoto sentido Caucaia.

É uma trilha gostosa de se fazer, mas tudo depende do tempo e também de quantos veículos/motos estão passando, porque quanto mais veículos/motos mais problemas esta trilha vai ter.

Risco da Trilha:

Tomar cuidado com assalto na região.
Riscos de amassar o veiculo.
Muitos troncos na trilha.

Mapeamento da Trilha:

Captura de Tela 2017-10-31 às 2.00.30 PM.png

Clique aqui para acessar o Wikiloc desta trilha.

O que temos ao redor da Trilha:

Temos vários a caminhos para esta trilha desde São Loureço da Serra como do bairro da Aldeinha.
Temos os comercios de São Lourenço da Serra ou mesmo no caminho pelo bairro da Aldeinha.
Tendo mais informações envie para nós que colocamos na materia, sempre conteúdo colaborativo.


2 Comentários

Trilha Serra da Bocaina – SP

São José do Barreiro – SP, município aos pés da Serra da Bocaina e
caprichosamente envolto pelas águas da Represa do Funil, está em uma região de rica
história e valores naturais. Casarões e fazendas típicas do período cafeeiro dividem
atenção com as trilhas, mirantes e cachoeiras do Parque Nacional, cujo principal acesso
se dá por estradas barreirenses.

Distância Rio de Janeiro/RJ > São José do Barreiro/SP
210 km | 3h de carro | Referências próximas: Barra Mansa/RJ

Distância São Paulo/SP > São José do Barreiro/SP
270 km | 3h30 de carro | Referências próximas: cidades de Queluz/SP e Bananal/SP

Informações Tecnicas:

Nível: Leve/Media
Distancia: Roda-se ao longo do fim de semana de trilhas na Serra da Bocaina, cerca de 200 km.
Tempo da Trilha: N/A.

Requisitos para esta trilha:

MTB estar nem alinhada e com amortecedores.
Trekking bota ou tennis de trilha, isolante térmico, cantil, Anorak
Off Road necessário guincho, pneu e lift

Sobre a Trilha:

Parque Nacional e Cachoeira Santo Izidro

Adentrar no Parque Nacional é mais difícil e requer autorizações prévias que comprovem pernoite na única pousada do interior do Parque. De toda forma, a maior parte da diversão está fora do Parque mesmo, com exceção de um ponto específico: a Cachoeira Santo Izidro, que pode ser acessada em breve caminhada.

Sendo assim, a partir do centro de Barreiro, após 25 km de tranquila estrada que alterna terra batida e asfalto, chega-se ao Mirante do Beija-Flor, um amplo trecho descampado no alto da Bocaina com cerca de 1800m de altitude. Do alto do mirante é possível ver com perfeição um esplendoroso panorama da Serra da Canastra, do Vale do Paraíba paulista e da Vale do Sul Fluminense.

Após belas fotos no Beija-Flor, leva-se apenas mais 10 minutos até a portaria do Parque Nacional da Serra da Bocaina, onde é possível deixar as viaturas no estacionamento e caminhar 30 a 40 minutos até a encantadora Cachoeira Santo Izidro.

Voltando iremos para a Casa de Pedra, um antigo marco no alto da Serra da Bocaina. Por lá, há pequenos atoleiros onde os pilotos podem se divertir. Contudo, há também saídas mais tranquilas para os que quiserem passar sem maior adrenalina.

A trilha segue pelo alto da Serra da Bocaina, na região vizinha ao Parque Nacional, rumo à divisa São José do Barreiro e Areias. O caminho é repleto de lindos visuais e trechos que alternam erosões e lama (de acordo com o nível de chuva e período do ano).

 

Captura de Tela 2017-10-05 às 4.06.27 PM

Cachoeira das Posses

Uma bela cachoeira com 30 metros de altura, também localizada no rio Mambucaba, no caminho da trilha do ouro. é um bom local para acampamento durante a travessia pelo parque. é possível chegar de moto ou veículo 4×4 (desde que com permissão).

Cachoeira do Veado

Formada por duas quedas d’água que despencam de 200 metros de altura. um poço formado por esta cachoeira convida os visitantes a um delicioso banho quando se realiza a travessia da trilha do ouro. ela está a cerca de dois dias de caminhada (na segunda ou terceira noite de quem faz a trilha acampando). também é possível chegar de moto ou bicicleta.

Trilha do Ouro

Corta o parque na direção São José do barreiro (SP)/ Paraty (RJ), por um antigo caminho colonial calçado pelos escravos com pedras de rio. a travessia pode durar dois ou três dias e ao longo da trilha existem áreas para camping selvagem. várias operadoras de ecoturismo oferecem este roteiro, com possibilidade de hospedagem nas pousadas locais. a caminhada começa em estrada de terra, na entrada do parque, com seqüência de serras, mata fechada e várias cachoeiras, já que este percurso acompanha um curso d’água e atravessa o rio mambucaba e o rio da prata. no segundo dia é possível acampar na fazenda do seu tião, e encontrar banho quente e comida caseira. no terceiro dia a parada geralmente ocorre em acampamento selvagem, ao lado da cachoeira dos veados, uma das mais belas da região. no último trecho, que é só descida, encontra-se o calçamento em pé-de-moleque da antiga trilha do ouro, exigindo do caminhante muita atenção por conta da inclinação e das pedras soltas. geralmente a trilha se encerra ao lado da ponte pênsil sobre o rio mambucaba, para aqueles que programaram uma condução de volta (que é o ideal). caso contrário é necessário caminhar mais 14 km até a vila de Perequê, em Mambucaba, localizada entre angra dos reis e Paraty. Mais Informações clique aqui ou aqui

MIRANTE DO BEIJA-FLOR

Captura de Tela 2017-10-05 às 4.12.19 PM

Trilha tradicional da Serra da Bocaina – se encerra com um último trecho de maior atenção demandada: a descida do Morro do Pau Casado. Através de um caminho medianamente acidentado em meio à mata atlântica, as coisas ganham emoção caso esteja em período de chuvas.Todo esse trecho trafegado é extremamente rico em valores naturais e fauna serrana. Muitas vezes os pilotos se deparam com o lobo guará, antílopes ou, até mesmo, a onça parda. Os mirantes do caminho são encantadores e dão boa noção do posicionamento geográfico do piloto em relação à outras cidades e serras.


Zona Rural e Atoleiros da Represa do Funil

Saimos rumo aos caminhos entre as Fazendas Históricas da região. Em estradas tranquilas de terra batida, alguma lama e pequenos rios, chega-se à Represa do Funil. Nos arredores da represa, muitos são os trechos de terra extremamente úmida. Nesses amplos campos de barro, os pilotos se divertem livremente e têm boas oportunidades de usar cintas e guinchos. O cenário, mais uma vez, rende belas fotos.

 

Risco da Trilha:

A dificuldade em época seca é baixa. Contudo, em períodos de chuva, é muito importante que os pneus sejam adequados, pois as íngremes ladeiras de terra viram sabão.

Mapeamento da Trilha:

As trilhas não costumam ser disponibilizadas online em função da responsabilidade pregada pelos empreendedores de turismo da região. O conselho municipal de turismo corretamente desencoraja aventureiros que não contém com guias locais. Dessa forma, para uma aventura segura, com quem conhece a região e com opções de hospedagem e alimentação. Mas existem vários mapas no Wikiloc.

Dicas para a Trilha:

 A diversas pousadas na região e muitos guias turísticos, sendo assim faça uma pesquisa e veja o melhor para você conseguir curtir esta região.

O que temos ao redor da Trilha:

A Bocaina Experience é uma agência de receptivo turístico & eventos que elabora pacotes completos de visitação à região do Vale Histórico paulista e Serra da Bocaina, disponibilizando diferentes opções de hospedagem, alimentação e passeios guiados.

Além de ecoturismo, turismo pedagógico e turismo da melhor idade, a Bocaina Experience organiza variados eventos, dentre eles encontros, circuitos e treinamentos 4×4, que ocorrem graças à parceria com a WANDERLUST OFFROAD & ADVENTURES, agencia de turismo off road na região. Liderada por piloto nascido e criado nos arredores da Bocaina, a Wanderlust conta com toda experiência, estrutura e aparato técnico necessário para dar mais qualidade e segurança às aventuras 4×4.

Restaurante Rancho – Comida tropeira, Buffet livre, sobremesa com doces típicos da região, bebidas

Restaurante Lajeado – Comida serrana feita no fogão à lenha, buffet livre, sobremesa com doces típicos da região, bebida

Almoço na Lagoa da Siriema,  buffet Livre, sobremesa, bebidas.

Diversões com Jet-Ski, Banana Boat, Stand Up Paddle.


6 Comentários

Trilha do Verde 3 – SP

Vamos falar da Trilha do Verde que fica em São Paulo/SP que percorre a Reserva do Morro Grande que inicia próximo a BR116 – Itapecerica da Serra e segue pelo bairro da Aldeinha e os municípios de São Lourenço da Serra, Cotia e no distrito de Caucaia.

Venho um tempo conversando com diversas pessoas para entender o nome desta Trilha ou melhor destas trilhas e suas particularidades, sendo assim confira um pouco deste estudo.

WhatsApp Image 2017-10-02 at 18.50.47

A Trilha do Verde – SP é divida em 4 partes, nós iremos descrever a parte 3 localizada perto da Caixa D’água da Sabesp – SP/Cotia.

Informações Tecnicas:

Nível: Média
Distancia: 6.6 KM
Tempo da Trilha: 5h Veiculo / 1h Moto / 2h MTB

Requisitos para esta trilha:

MTB estar nem alinhada e com amortecedores.
Trekking bota ou tennis de trilha.
Off Road necessário guincho, pneu e lift

Sobre a Trilha:

É uma trilha leve para media quando há muita chuva contem muitos abortos, atoleiros com agua e lama, arvores que caíram e não se consegue remover.

Ha muito galho solto, árvore caída como mencionado, tomar cuidado com os galhos soltos podem machucar se estiver de Moto ou Bike, se estiver se veiculo 4×4 pode haver problemas de riscar o carro. Como há muitas arvores caídas veículos muito alto pode bater nestas arvores.

Existe 2 buracos que também possuem aborto mas que são fundos e quando há muita chuva enchem e não esvaziam, sendo assim se estiver de veiculo 4×4 precisa de guincho.

No meio desta trilha a uma saída alternativa a esquerda, caso aconteça algum problema tem a possibilidade de utilizar este aborto.

É uma trilha gostosa de se fazer, antigamente existia uma extensão que se chama “Entra e Sai” que ao longo do tempo foi fechada pelos moradores e pelos ajustes feitos pelos tratores.

Risco da Trilha:

Tomar cuidado com assalto na região.
Riscar veiculos ou se machucar nos galhos e arvores solto no trajeto.

Mapeamento da Trilha:

Captura de Tela 2017-10-02 às 6.34.47 PM.png

Clique aqui para acessar o Wikiloc desta trilha.

O que temos ao redor da Trilha:

Temos vários a caminhos para esta trilha desde Cotia como Embu das Artes.
Temos um ponto de encontro utilizado que é a Padaria Belas Artes em Embu das Artes (Mais Informações) e temos o comercio ao redor.
Observação Importante: Esta trilha é também conhecida como Trilha do Verde 1, foi por isto que postei esta materia para os que não conhecem ficarem sabendo como encontrar esta trilha com o nome que a maioria conhece, obrigado as pessoas que criticaram o nome e/ou mesmo ajudaram com informações sempre trabalhamos com o colaborativo.


Deixe um comentário

Ação Social – Familia 4×4 – Arrecadação de Fraldas infantis

Foi organizado pelo grupo Família 4X4 ( Responsáveis: Humberto Gambaro, Fábio, Gilson e Dereck).

Resolvemos reunir os amigos doFamília 4×4 para um churrasco no Pacaembú (Espaço publico onde se reunem todas as quintas-feiras) dia 14/09/2017, mas como todos os encontros nossos a galera queria fazer algo a mais que um churrasco, dai surgiu a ideia de cada amigo que participasse doar um pacote de fraldas.

Conseguimos arrecadar 35 pacotes de fralda para o Lar de Atalaia (Atibaia/SP)

O evento foi muito bom, vários amigos reunidos, o churrasco estava ótimo, muita conversa e o intuito foi alcançado.

Fica o agradecimento da Família 4×4 e nosso apoio nestas campanhas !
E bora pra trilha ….
img_9016


1 comentário

Trilha Serra da Canastra – Delfinópolis/MG

Vamos falar sobre a Serra da Canastra em Delfinópolis, no estado de Minas Gerais, chegar nesta pacata cidade já é uma aventura, chegamos pelo lado de Cássia/MG por uma balsa que faz a travessia a cada 30 minutos, já em Delfinópolis encontramos varias opções de trilha, cachoeira, hospedagem e desafios para todos os gostos.

Informações Técnicas:

Nível: Leve/Médio dependendo do tempo pode ter trecho com dificuldade.
Tempo da Trilha: 10 horas (Delfinópolis a São João Batista do Glória).

Mapa de Delfinópolis

2015---MAPA-DE-DELFIN_C3_93POLIS-MG-ilustra_C3_A7_C3_A3o-roberto-torrubia

Mais informações sobre Delfinópolis clique aqui

Guia sobre as cachoeiras de Delfinópolis clique aqui, abaixo vamos descrever algumas e suas trilhas.

Requisitos para esta trilha:

Veiculo 4×4 para alguns lugares.
Mountain Bike para longas distancias.
Equipamentos para Trekking como mochila de hidratação, filtro solar.
Motos/UTV.

Sobre a Trilha:

O roteiro abaixo foi feito para veículos Off Road podendo ser feito em outras modalidades, caso você tenha outras sugestões envie para nós que acrescentamos nesta matéria.

Começamos com a Cachoeira do Zé Carlinhos (17 no mapa), assim, já na saída da cidade, passamos para almoçar no Restaurante do Reinaldo (42 no mapa) como é mais conhecido por aqui também fazemos Jaba ! rs, um local muito simples, mas com uma ótima comida mineira, feita na hora.

São 26km de belas paisagens, passando por 2 rios onde a lamina d’água normalmente é de 50cm, assim se seu veículo 4×4 não tem snorkel, passe lentamente para não correr riscos.

 

Chegando lá, você depara com essa maravilhosa cachoeira e essa praia de areia de rio, vale lembrar que o Sr. Zé Carlinhos cobra uma tarifa de aproximadamente R$15,00 por carro que chega ali para visitação.

 

Na cachoeira do Cachoeira do Zé Carlinhos perderemos o dia inteiro para aproveitar esta cachoeira com trilha leve o retorno será pelo mesmo caminho.

Amanhecendo, vamos seguir outro percurso, o almoço será lá no pé da Serra Branca, na famosa Pousada da Wanda. Partimos de Delfinópolis, sentido Complexo do Claro (04) um local provido de alguns chalés e área de camping e várias cachoeiras, logo a frente nos deparamos com a Pousada Paraiso (05) outro ponto com várias cachoeiras – seria necessário um dia inteiro para visitar estes dois locais, alguns quilômetros depois um belo mirante proporciona visualizar uma vasta área da Serra da Canastra.

mirante_canastra

Na sequencia teremos o chão se torna altamente arenoso e assim chegamos ao Condomínio de Pedras, uma bela formação rochosa no topo da serra. Passamos por variações de altitude com uma longa subida bastante íngreme, com pedras soltas, erosões e muita poeira caso não tenha chovido nos dias, tudo isso entre a Bateia e o Caminho do Céu.

Seguindo o mapa fica um pouco mais fácil o trajeto que tem pouquíssimas bifurcações. São 5 horas que gastamos até chegar na Pousada da Wanda. Ah, não esqueça de levar o adesivo do seu grupo, lá todas as paredes são adesivadas por trilheiros de todas as regiões. Continuamos a acelerar até São João Batista do Glória a cidade mais próxima deste ponto, mas antes não podemos deixar de dar uma rápida passada na Cachoeira do Quilombo (12 no mapa), um verdadeiro parque de diversões, com possibilidade de banho em cachoeira, banho no rio, sem falar da prainha de areia grossa que acompanha o curso do rio.
Temos mais uma travessia de rio para o seu veiculo 4×4, aqui a altura da lamina de agua costuma variar muito desde os normais 0,50m até a 1,0m nos dias de chuva, por isso se seu 4×4 não tem snorkel, vale a pena molhar as canelas, fazendo a travessia a pé para saber como esta o nível do rio.
Temos mais 1 hora e 30 minutos, passando pelo Vale dos Canteiros até chegar já no inicio da noite em São João Batista do Glória ou então mais 20 minutos até a cidade de Passos.

 

Risco da Trilha:

Variável de médio a pesada (ou seja, com as longas estiagens de chuva, pode tornar o piso com camadas de poeira de rocha que atingem os 15cm de espessura, já na época das chuvas, as águas lavam as erosões já existentes deixando a vista grandes valas), porém, a equipe SOU4x4 conseguiu fazer a travessia com Vitara e TR4 totalmente original, lógico contando com o auxilio de guias. Mas é uma trilha que não se deve fazer sozinho sempre é bom acompanhando, como dizem trilha nunca se faz SOZINHO !

Dicas para a Trilha:

Não esqueça do protetor solar;
Leve água para se hidratar;
Leve lanche de trilha (no percurso entre a cidade de Delfinópolis até o Restaurante da Wanda não existe nenhuma parada, a não ser fazendas locais).
São as cachoeiras, pousadas, comidas típicas de MG tudo ja mencionado na parte Sobre a Trilha.

Caso você que esta lendo tem mais informações mande para nós que nós iremos complementar, afinal aqui é colaborativo, bora pra trilha !

Colaborador: Sou4x4 (Eduardo)
Fonte: Serra da CanastraSerra da Canastra Pousadas / Delfinópolis Serra da Canastra

 


1 comentário

Trilha do Verde – SP

Vamos falar da Trilha do Verde que fica em São Paulo/SP que percorre a Reserva do Morro Grande que inicia próximo a BR116 – Itapecerica da Serra e segue pelo bairro da Aldeinha e os municípios de São Lourenço da Serra, Caucaia e Cotia.

Venho um tempo conversando com diversas pessoas para entender o nome desta Trilha ou melhor destas trilhas e suas particularidades, sendo assim confira um pouco deste estudo.

A Trilha do Verde – SP é divida em 4 partes, conforme abaixo:

Trilha do Verde 1

Inicia KM 292 BR116 até a Aldeinha, são 3 entradas para esta trilha sendo 1 pela Aldeinha (Fazendo ao contrario), 1 pelo Sitio Buscapé (Entra pelo Dr. Costela) e a outra pelo CDP ( no qual passará na frente da horta do Japones) esta parte é composta de erosões, atoleiros com agua e muita lama, nível da trilha pesada, mas tem muitos abortos, tem uma extensão de 8KM aproximadamente, conforme link abaixo do Wikiloc. MAPA

Trilha do Verde 2 – Buraco do Camel

Inicia na Aldeinha lado esquerdo da Trilha do Verde 1, esta é uma trilha de nível Pesada ao extremo com erosões, buracos enormes com muita agua e lama e quase nenhum aborto, tem uma extensão de 6KM aproximadamente com termino na Trilha dos Grilos, conforme link abaixo Wikiloc. MAPA

No final desta Trilha temos outra por perto como a Trilha do Peixoto e Trilha do Rasga Banco que iremos falar sobre elas tambem, aguardem …

Trilha do Verde 3 – Sabesp/Cotia

Localizada perto da Caixa D’água da Sabesp – SP/Cotia é uma trilha media pra pesada contem muitos abortos, atoleiros com agua e lama, arvores que caíram e não se consegue remover é uma trilha gostosa de se fazer, antigamente existia uma extensão que se chama “Entra e Sai” que ao longo do tempo foi fechada pelos moradores e pelos ajustes feitos pelos tratores. MAPA

Trilha do Verde 4

Esta parte é composta de erosões, atoleiros com agua e muita lama, nível da trilha médio para pesado, mas não tem muitos abortos, tem uma extensão de 2KM aproximadamente, conforme imagem abaixo:


A saída desta trilha ja da na Trilha do Verde 1 assim fechando o circuito da Trilha do Verde.

Visão Geral dos Mapas (MAPA)

Captura de Tela 2017-09-02 às 12.59.41

Vale destacar que estas trilhas são feitas tanto com carros OFF ROAD, Motocross e Mountain Bike.

Obs. Importante: Neste estudo algumas pessoas que conversei me falaram de outro esquema destas trilhas, caso alguém tenha duvida converse conosco ou com as pessoas FONTE desta pesquisa.

O próximo passo deste estudo é escrever sobre cada trilha que citamos acima com o máximo de conteúdo, assim deixando as informações atualizadas e também sempre esperando por mais informações porque sendo colaborativo as informações ficam melhores do que já estão, não é verdade ?!

Quero agradecer a todos que ajudaram a chegar neste esquema acima e bora comentar sobre!

Colaborador: Alexandre Tonche / Marcelo Pádua
Fonte: LS OFF ROAD / Jipeiros da Serra / Trilha do Carlinhos / Sr. Arai / Guaracy OFF Road