Eu Faço Trilha BLOG

#offroad #trekking #motocross #montainbike


Deixe um comentário

Trilha dos Grilos – SP

Vamos falar da Trilha dos Grilos que fica em São Lourenço da Serra – São Paulo/SP perto do bairro dos Grilos.

Percorre uma pequena serra para chegar nesta trilha onde temos entradas e saídas para outras trilhas como por exemplo saída da Trilha do Camel e entrada da Trilha do Peixoto.

Lembrando que esta trilha é uma parte da reserva do morro grande.

Informações Tecnicas:

Nível: Média – Com chuva pode ficar Pesada.
Distancia: 8 KM
Tempo da Trilha: 2h Veiculo / 1h Moto

Requisitos para esta trilha:

Off Road necessário guincho, pneu e lift
Motocross utilizar o equipamento padrão (Capacete/Bota)

Sobre a Trilha:

É uma trilha media para pesada quando há muita chuva contem poucos abortos, atoleiros com agua, lama e erosões.

Existe alguns dos buracos que também possuem aborto mas que são fundos e quando há muita chuva enchem e não esvaziam, sendo assim se estiver de veiculo 4×4 precisa de guincho.

A muitas subidas com erosões e quando chove fica mais escorregadias e as erosões maiores então dependendo do mês do ano esta trilha esta seca ou muito molhada assim ficando e um nível de maior dificuldade.

Esta trilha fica perto das torres que energia sendo assim quando chove melhor não ficar muito perto, mas existe no meio desta trilha na lateral esquerda lugares para se fazer uma ótima parada para descansar ou mesmo fazer um churrasco.

Como mencionado esta trilha é a saída da Trilha do Camel e a entrada da Trilha do Peixoto sentido Caucaia.

É uma trilha gostosa de se fazer, mas tudo depende do tempo e também de quantos veículos/motos estão passando, porque quanto mais veículos/motos mais problemas esta trilha vai ter.

Risco da Trilha:

Tomar cuidado com assalto na região.
Riscos de amassar o veiculo.
Muitos troncos na trilha.

Mapeamento da Trilha:

Captura de Tela 2017-10-31 às 2.00.30 PM.png

Clique aqui para acessar o Wikiloc desta trilha.

O que temos ao redor da Trilha:

Temos vários a caminhos para esta trilha desde São Loureço da Serra como do bairro da Aldeinha.
Temos os comercios de São Lourenço da Serra ou mesmo no caminho pelo bairro da Aldeinha.
Tendo mais informações envie para nós que colocamos na materia, sempre conteúdo colaborativo.


2 Comentários

Trilha Serra da Bocaina – SP

São José do Barreiro – SP, município aos pés da Serra da Bocaina e
caprichosamente envolto pelas águas da Represa do Funil, está em uma região de rica
história e valores naturais. Casarões e fazendas típicas do período cafeeiro dividem
atenção com as trilhas, mirantes e cachoeiras do Parque Nacional, cujo principal acesso
se dá por estradas barreirenses.

Distância Rio de Janeiro/RJ > São José do Barreiro/SP
210 km | 3h de carro | Referências próximas: Barra Mansa/RJ

Distância São Paulo/SP > São José do Barreiro/SP
270 km | 3h30 de carro | Referências próximas: cidades de Queluz/SP e Bananal/SP

Informações Tecnicas:

Nível: Leve/Media
Distancia: Roda-se ao longo do fim de semana de trilhas na Serra da Bocaina, cerca de 200 km.
Tempo da Trilha: N/A.

Requisitos para esta trilha:

MTB estar nem alinhada e com amortecedores.
Trekking bota ou tennis de trilha, isolante térmico, cantil, Anorak
Off Road necessário guincho, pneu e lift

Sobre a Trilha:

Parque Nacional e Cachoeira Santo Izidro

Adentrar no Parque Nacional é mais difícil e requer autorizações prévias que comprovem pernoite na única pousada do interior do Parque. De toda forma, a maior parte da diversão está fora do Parque mesmo, com exceção de um ponto específico: a Cachoeira Santo Izidro, que pode ser acessada em breve caminhada.

Sendo assim, a partir do centro de Barreiro, após 25 km de tranquila estrada que alterna terra batida e asfalto, chega-se ao Mirante do Beija-Flor, um amplo trecho descampado no alto da Bocaina com cerca de 1800m de altitude. Do alto do mirante é possível ver com perfeição um esplendoroso panorama da Serra da Canastra, do Vale do Paraíba paulista e da Vale do Sul Fluminense.

Após belas fotos no Beija-Flor, leva-se apenas mais 10 minutos até a portaria do Parque Nacional da Serra da Bocaina, onde é possível deixar as viaturas no estacionamento e caminhar 30 a 40 minutos até a encantadora Cachoeira Santo Izidro.

Voltando iremos para a Casa de Pedra, um antigo marco no alto da Serra da Bocaina. Por lá, há pequenos atoleiros onde os pilotos podem se divertir. Contudo, há também saídas mais tranquilas para os que quiserem passar sem maior adrenalina.

A trilha segue pelo alto da Serra da Bocaina, na região vizinha ao Parque Nacional, rumo à divisa São José do Barreiro e Areias. O caminho é repleto de lindos visuais e trechos que alternam erosões e lama (de acordo com o nível de chuva e período do ano).

 

Captura de Tela 2017-10-05 às 4.06.27 PM

Cachoeira das Posses

Uma bela cachoeira com 30 metros de altura, também localizada no rio Mambucaba, no caminho da trilha do ouro. é um bom local para acampamento durante a travessia pelo parque. é possível chegar de moto ou veículo 4×4 (desde que com permissão).

Cachoeira do Veado

Formada por duas quedas d’água que despencam de 200 metros de altura. um poço formado por esta cachoeira convida os visitantes a um delicioso banho quando se realiza a travessia da trilha do ouro. ela está a cerca de dois dias de caminhada (na segunda ou terceira noite de quem faz a trilha acampando). também é possível chegar de moto ou bicicleta.

Trilha do Ouro

Corta o parque na direção São José do barreiro (SP)/ Paraty (RJ), por um antigo caminho colonial calçado pelos escravos com pedras de rio. a travessia pode durar dois ou três dias e ao longo da trilha existem áreas para camping selvagem. várias operadoras de ecoturismo oferecem este roteiro, com possibilidade de hospedagem nas pousadas locais. a caminhada começa em estrada de terra, na entrada do parque, com seqüência de serras, mata fechada e várias cachoeiras, já que este percurso acompanha um curso d’água e atravessa o rio mambucaba e o rio da prata. no segundo dia é possível acampar na fazenda do seu tião, e encontrar banho quente e comida caseira. no terceiro dia a parada geralmente ocorre em acampamento selvagem, ao lado da cachoeira dos veados, uma das mais belas da região. no último trecho, que é só descida, encontra-se o calçamento em pé-de-moleque da antiga trilha do ouro, exigindo do caminhante muita atenção por conta da inclinação e das pedras soltas. geralmente a trilha se encerra ao lado da ponte pênsil sobre o rio mambucaba, para aqueles que programaram uma condução de volta (que é o ideal). caso contrário é necessário caminhar mais 14 km até a vila de Perequê, em Mambucaba, localizada entre angra dos reis e Paraty. Mais Informações clique aqui ou aqui

MIRANTE DO BEIJA-FLOR

Captura de Tela 2017-10-05 às 4.12.19 PM

Trilha tradicional da Serra da Bocaina – se encerra com um último trecho de maior atenção demandada: a descida do Morro do Pau Casado. Através de um caminho medianamente acidentado em meio à mata atlântica, as coisas ganham emoção caso esteja em período de chuvas.Todo esse trecho trafegado é extremamente rico em valores naturais e fauna serrana. Muitas vezes os pilotos se deparam com o lobo guará, antílopes ou, até mesmo, a onça parda. Os mirantes do caminho são encantadores e dão boa noção do posicionamento geográfico do piloto em relação à outras cidades e serras.


Zona Rural e Atoleiros da Represa do Funil

Saimos rumo aos caminhos entre as Fazendas Históricas da região. Em estradas tranquilas de terra batida, alguma lama e pequenos rios, chega-se à Represa do Funil. Nos arredores da represa, muitos são os trechos de terra extremamente úmida. Nesses amplos campos de barro, os pilotos se divertem livremente e têm boas oportunidades de usar cintas e guinchos. O cenário, mais uma vez, rende belas fotos.

 

Risco da Trilha:

A dificuldade em época seca é baixa. Contudo, em períodos de chuva, é muito importante que os pneus sejam adequados, pois as íngremes ladeiras de terra viram sabão.

Mapeamento da Trilha:

As trilhas não costumam ser disponibilizadas online em função da responsabilidade pregada pelos empreendedores de turismo da região. O conselho municipal de turismo corretamente desencoraja aventureiros que não contém com guias locais. Dessa forma, para uma aventura segura, com quem conhece a região e com opções de hospedagem e alimentação. Mas existem vários mapas no Wikiloc.

Dicas para a Trilha:

 A diversas pousadas na região e muitos guias turísticos, sendo assim faça uma pesquisa e veja o melhor para você conseguir curtir esta região.

O que temos ao redor da Trilha:

A Bocaina Experience é uma agência de receptivo turístico & eventos que elabora pacotes completos de visitação à região do Vale Histórico paulista e Serra da Bocaina, disponibilizando diferentes opções de hospedagem, alimentação e passeios guiados.

Além de ecoturismo, turismo pedagógico e turismo da melhor idade, a Bocaina Experience organiza variados eventos, dentre eles encontros, circuitos e treinamentos 4×4, que ocorrem graças à parceria com a WANDERLUST OFFROAD & ADVENTURES, agencia de turismo off road na região. Liderada por piloto nascido e criado nos arredores da Bocaina, a Wanderlust conta com toda experiência, estrutura e aparato técnico necessário para dar mais qualidade e segurança às aventuras 4×4.

Restaurante Rancho – Comida tropeira, Buffet livre, sobremesa com doces típicos da região, bebidas

Restaurante Lajeado – Comida serrana feita no fogão à lenha, buffet livre, sobremesa com doces típicos da região, bebida

Almoço na Lagoa da Siriema,  buffet Livre, sobremesa, bebidas.

Diversões com Jet-Ski, Banana Boat, Stand Up Paddle.


Deixe um comentário

Sensação do ano para o mundo Off Road, Fenajeep !

Hoje vamos descrever um relato de um dos parceiros do nosso blog na famosa Fenajeep !

Bora ver !

Fazer parte do maior evento nacional de offroad FENAJEEP é indescritível, a sensação de participar de uma história que começou em 1983 com o Brusque Jeep Clube vai ficar registrado no coração e na memória dos 50 mil participantes.

Caminhando pela calçada em direção a FENAJEEP todos os seus sentidos aguçam, um evento democrático e sem distinção de sexo, credo, raça e idade, ver famílias seguindo em direção ao evento, a cidade inundada dos mais diversos tipos de veículos 4×4, o coração já palpita ao avistar a bandeira do Brasil na arena, balançando ao vento com o som de um bom do rock que ecoa por todo quarteirão, pessoas e grupos de várias tribos caracterizados… ahhhhh! Não tem sensação melhor.

O evento foi idealizado por Vilmar Walendowsky que tinha por objetivo de reunir apaixonados por 4×4, promovendo competições, exposições de veículos, peças e acessórios, mas além de tudo isso, agregar aficcionados pelo mundo offroad de todos os estados.

Os stands apresentam seus produtos, sejam vestuários, ornamentos de decoração, barracas de camping, peças e acessórios para incrementar seu 4×4, além de novos protótipos e máquinas personalizadas.

O que vi de interessante foram um Troller azul totalmente equipado e preparado pela empresa Q7 Offroad e um STARK que é um 4×4 totalmente brasileiro, a diesel permite rodas até 35 e é o único autorizado a rodar com essas medidas.

Aqui nós tambem fazemos Jaba !!! Rs …

Não podemos deixar de prestigiar as competições, muito bem organizado e com muitas emoções e desafios, segue um breve relato dos nossos amigos Adriana e Sérgio, que participaram pela primeira vez do Rally:

“A prova de rally da Fenajeep foi pura adrenalina ! Dividida em duas etapas, teve de tudo que a gente gosta:

– Estradinhas de terra com piso ruim, curvas e pedras no caminho, balaios e muita lama ! A habilidade do piloto e do navegador foi testada a todo instante.

Na primeira etapa teve estradão e estradinhas, com muita mudança de média, exigindo concentração do piloto. No final, a parte mais divertida: entramos em uma pista de motocross que deixou os navegadores em polvorosa – ali foi o chamado “neutrão” de meia hora e ficamos em uma parte alta de onde pudemos observar os demais competidores no balaio.

A segunda parte foi a mais difícil e exigiu bastante dos competidores. Entramos em uma área de reflorestamento com muita lama e piso escorregadio. Os competidores passaram várias vezes no mesmo local, de forma intercalada e com sincronia perfeita, demonstrando a excelente técnica do Diretor de prova Rafain Walendowsky. Nosso pneu não ajudou muito e, numa curva muito lisa, acabamos batendo o parachoque numa árvore. Passamos pela curva de novo e eu “cantei” para o piloto: ”árvore no escape!” e ele respondeu: “já conheço ela …..”
Saindo do reflorestamento, mais um teste de fogo para os navegadores: um terreno sem muitas referências a não ser a marcação do piso. Erramos uma entrada entre tulipas muito próximas, com diferença de apenas 10 metros, mas conseguimos retomar o caminho e finalizamos a prova, apesar do atraso de 3 minutos.
Ao final, conseguimos ficar entre os 10 melhores, o que nos deixou muito contentes por estarmos competindo com pilotos mais experientes e numa categoria acima da nossa.

Equipe : Need For Speed Rally Team
Sergio Maurano – piloto
Adriana Maurano – navegadora”

Parabéns as equipes e pilotos que competiram nos campeonatos das modalidades (Jeep Indoor, Gaiola Cross, Força Livre, Master, Stock)

É isto ai pessoal esta foi a Fenajeep deste ano e se preparem que de 30 de maio a 3 de junho 2018 vamos desfrutar novamente desta experiência formidável.

Como sempre agradeço os colaboradores do “Eu Faço Trilha” que estão neste Brasil a fora ! Se voce quer expor algo sobre trilhas mande sua matéria ou sua trilha nós pesquisamos e publicamos aqui …

Quer ver mais fotos clique aqui !

Colaboradores EFT: Paula, Alessandra / Trilha SP 4×4
Fonte: Fenajeep

 


1 comentário

Jipe na Trilha (Maio/2017) – Jipeiros da Serra – SP

No último sábado (27) aconteceu mais encontro do Jipe na Trilha. Realizado pela equipe Jipeiros da Serra, o passeio reuniu mais de 100 jipeiros que vieram prestigiar o evento, que conta com apoio da Prefeitura de Itapecerica da Serra.

A largada dos trilheiros rumo às trilhas da região foi marcada pela alegria e emoção.

1 – Trilha do Popa (Nvl: Pesada)
2 – Trilha da Carvernosa (Nvl: Moderada)
3 – Trilha do Marcilio (Nvl: Leve)
4 – Trilha da Aldeinha (Nvl: Moderada)
5 – Trilha do Ita (Nvl: Pesada)
Obs. Importante: Havendo necessidade de uso de guincho em todas as trilhas mencionadas.

Após percorrer estas trilhas chegamos no Mammoth BAR para o churrasco de linguiça e musica ao vivo e ainda tinha uma galera que iria até a Trilha do Ita no Desafio, evento bacana com suporte dos Jipeiros da Serra, adrenalina e muita lama vamos aguardar a proxima de 2018.

Mapa da Trilha disponibilizado no Wikiloc, clique aqui.


Fonte: Prefeitura de Itapecerica da Serra
Apoio nas informações deste evento Bruno Formagio (Jipeiros da Serra)